Páginas

sábado, 5 de fevereiro de 2011

A menina e o abismo


“Chega onde em sono ela mora
e vê que ele mesmo era
a Princesa que dormia”
Pessoa, “Eros e Psique”

Amo a menina que mora na casa em frente à minha, do outro lado do abismo que nos separa.

Sento pela manhã na varanda a esperar que ela desfile seus olhos claros pela janela, para depois começar a encenar um breve sorriso e logo desaparecer na escuridão de seu quarto. Distante que estamos, não tenho certeza se o sorriso era para mim, nem se ao menos havia algum sorriso estampado naquele rosto redondo. Na dúvida, começo a vestir a alma de riso, e passo o resto do dia a imaginar a possibilidade de que ela, em sua janela, estivesse a procurar o meu riso, e não encontrasse, ou encontrasse apenas uma dúvida.

A menina do outro lado do abismo talvez gostasse de visitar a minha casa. Conheceria o cheiro de móveis mofados, o eco de espaços vazios, o zelo dos velhos solitários. Talvez ela tivesse um refinado gosto decorativo, e começasse a pintar minhas paredes com cores de caos, e a virar os meus assentos de ponta-cabeça, e a quebrar umas tranqueiras que eu costumo guardar. Nós ficaríamos a preencher as noites com a eterna novidade de nossa humana presença, noites quando melhor se ouve o urro dos monstros que se agitam no fundo do abismo ao redor. Depois contaríamos todas as estrelas e daríamos nomes a elas, fazendo promessas para nossa próxima viagem sideral. Mas por agora, a menina não está aqui. Também me aflige a ideia de que, talvez, ela detestasse visitar o meu recanto, achando-o antiquado demais para sua impaciência. Talvez ela pense em visitar outras casas que não a minha, ou talvez ela queira muito mais do que apenas invadir espaços alheios e busque, para além disso, o rumo do infinito.

Na verdade, sentado tediosamente na varanda, eu mal consigo enxergar o perfil de alguém que passeia pela janela de uma casa do outro lado do abismo. Acho que é ela, pois aos menos espero do tempo que aqui gasto o simples poder vê-la. Mas talvez não seja, e o meu tédio não produzira nada mais que um sonho vão. Eu sei que eu deveria me arriscar a fugir de minha própria casa, a percorrer as bordas indefinidas do abismo, que se estendem até depois do horizonte. E é bem possível que eu encontrasse em algum lugar desse além do horizonte uma ponte sobrevoando o abismo, a me levar a outro lugar tão mais arriscado e tão mais desconhecido. E nesse outro lugar eu encontraria outra ponte e outro abismo, e notaria que a minha vida seria como uma viagem a percorrer uma rede de pontes e abismos interligados, nos quais eu estaria sempre a me perder e sempre a me achar. Mas sei também que tão cedo me aterraria a lembrança de estar cada vez mais longe daquela menina, e talvez nunca mais pudesse me esbarrar com ela. Sobraria-me a saudade de uma casa já então remota, e o novelo tristemente acumulado de intentos perdidos, deixados para além de vida e de viagem. Nas estradas o encontro também é uma coisa muito rara, e um sem número de outras meninas seriam deixadas pelo caminho.

No entanto, tudo isso é devaneio, tudo é mera especulação. Sentado na solidão de minha varanda, eu nunca saberei dos erros que cometeria, se não insistisse em permanecer a contemplar uma moldura de riso de menina, que talvez, já não sei mais, desfile numa casa do outro lado do abismo. Mesmo a capa de riso com que visto minha alma se desgasta ao longo dos anos de poeira acumulada. E as rugas que agora sulcam meu rosto costumam mentir ao menino que eu era antes de me sentar à varanda de casa. Surpreendo-me diante de tão subitânea metamorfose. Ontem mesmo eu havia começado a sonhar, ontem mesmo eu havia me deparado com o riso enigmático da menina, a quem eu quis tanto. Um ontem indeterminado e espectral, que pode ter sido há um dia atrás, pode ter sido há milênios. Já não sei mais quando foi ontem, nem sei se ainda amo a menina, cuja imagem em mim continuamente se desfaz. Restou apenas este animal vetusto, que lembra e sonha acerca dessas coisas, e que ainda vive, ainda respira.

É preciso transpirar o amor sonhado a cada passo dado no mundo. Mas antes disso, é preciso dar algum passo. Sigo porta adentro e ajeito na mochila algumas poucas coisas, o bastante para uma indefinida ausência. Olho-me no espelho e vejo-me novamente jovem, novamente cheio de promessas, sem rugas, sem gravidade, e também sem esquecimento. Dedico um último olhar para a paisagem de minha varanda, e nesta hora sei a verdade.

Nunca houve casa nem janela do outro lado do abismo. O riso de menina não está ali, nem talvez esteja em nenhum lugar. Desta vez, sou eu quem rio, sem esperança, pego a mochila e abandono o resto das tralhas dentro de casa. Não devo encontrar a menina, pois ela sempre esteve comigo...

6 comentários:

  1. Muito bom Nunes, gostei muito, principalmente do final.
    Grande abraço,
    Denis.

    ResponderExcluir
  2. Daniel,muito legal o teu texto!!!!Faz pouco tempo que te conheço,mas já deu para perceber que você é extremamente talentoso!
    Espero que a cada dia mais você possa expressar com palavras o que existe de melhor dentro desta capa silenciosa na qual você se reveste.
    Já que não fala muito como eu( rsrsrsrsrsrs)que pelo menos possa nos mostrar o incrível dom da palavra.
    P.S: Gostei do blog,principalmente do título e subtítulo.

    Rachel Chiote.

    ResponderExcluir
  3. combina com aquela frase que uma vez você disse:
    "a mulher que eu amo não existe"

    perspectiva interessante
    amei odiar o texto! ^^

    ResponderExcluir
  4. Dani,gostei muito desse texto. Vc continua sendo meu escritor preferido.
    (Vizinha)

    ResponderExcluir
  5. e enigmatico, sofrido,quase bucólico, mas a s contruçao das frases dentro da riqueza que ali denota,criando saidas sao pontes , pontes dentro do imaginário de cada um! gosto vc e bom naquiloo que faz . acredite e confie um grande abraço, viva mais suas emoçoes!!!!!!!! espadasse!!!!!!! exploda no sentido contrutivo, assim renascera sempre va no fundo.

    ResponderExcluir